Voltar para a lista

Esporte contra depressão: em paz com você e com os outros

A maioria se preocupa com a estética quando pensa em rotina ativa. Mas, para especialista, é preciso considerar os valores que a prática traz.

Compartilhar:

*Matéria publicada em 20 de março de 2018

Pixabay

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) o Brasil é o País com o maior número de pessoas depressivas da América Latina. Já são 11,5 milhões de pessoas diagnosticadas.

Se você já foi ao médico e mesmo assim vem se sentindo triste e sem ânimo, pode buscar diversos recursos para tentar se sentir melhor. A atividade física é um deles.

Ricardo Muotri, especialista em Educação Física Adaptada e Saúde, afirma que o exercício físico ajuda a nos conhecer melhor, testar os próprios limites e aumentar a autoestima.

Sabe quando você perde um lance e a galera canta: “valeu, valeu, a gente sabe que não deu”? Esse apoio nos faz aprender a lidar melhor com a frustração de uma derrota, graças ao apoio do grupo. Entender a importância do trabalho em equipe é outro aprendizado que pode (e deve) ser levado para o dia a dia, deixando tudo mais leve. Além de aprendermos a lidar com as diferenças, o que também é uma vitória pessoal do esporte.

A maioria das pessoas se preocupa principalmente com a estética quando pensa em mudar para uma rotina mais ativa, mas para a professora do Departamento de Pedagogia do Movimento do Corpo Humano, Yara Maria de Carvalho, em primeiro lugar é preciso pensar nos valores que a prática esportiva traz. “Eu defendo o esporte que atribui valores de cooperação, engajamento e solidariedade, e não exclusão e isolamento.” diz.

Em cada fase da vida nós mudamos, temos outras necessidades e valores, neste mesmo sentido o exercício contribui de diferentes formas. Na infância é preciso aprender mais sobre os limites um do outro, por isso Ricardo acredita que o esporte coletivo tem mais vantagens nessa faixa etária, uma vez que trabalha a sociabilização.

Para os idosos, a atividade física é uma das formas de prevenir as diversas doenças que atingem essa faixa etária. O especialista afirma que as práticas individuais são mais interessantes nesses casos, porque é mais fácil definir a intensidade e a duração do exercício.

Agora você já sabe que motivos para começar não faltam, mas no meio do caminho sempre aparece alguma desculpa e você acaba desistindo? O Ricardo também deu dicas para persistir praticando:

1. Encontre um esporte que você goste ou que tenha um grupo legal pra te motivar.
2. Trace pequenas metas. Objetivos muito complexos podem te frustrar.
3. Crie motivações individuais que podem ser o próprio prazer da atividade ou uma recompensa.

O importante é curtir aquilo que você pratica. Quando fazemos por prazer, fica mais fácil criar estratégias para não desistir quando o dia estiver frio, bater aquela preguiça ou uma dor de cabeça, ou qualquer outro bloqueio. Yara ainda afirma que existem mais de 300 práticas corporais para testar e muitas formas de se cuidar, e conclui: “O essencial é não impor limites físicos e usar a inteligência do corpo”.

Se você ainda não pratica nenhum esporte ou atividade física, o Dia do Desafio pode ser uma boa oportunidade para começar. Além de se mexer, você pode conhecer gente nova e se divertir. Confira a programação gratuita que acontece nas diversas cidades dos 20 países participantes. Lembre-se que este ano, a programação não se limita só ao dia 31, mas também durante todo o mês de Maio. Aproveite a energia do mês e comece agora mesmo a se mexer. Corpo e mente agradecem 😉